Voyage of Time: Life’s Journey (Terrence Malick, 2016)

Terrence Malick criou para si um legado místico, transitou pelos anseios da moral e parou no transcendentalismo que somente as perguntas vazias podem proporcionar. Suas obras a partir de A Árvore da Vida (2011) são continuações desse ciclo interminável e, muitas vezes, cansativo de pensar e sentir. O diretor olha para o âmago, para a natureza e compõe a jornada em busca de explicações com a utilização de elementos que só podem ser inseridos no homem moderno – aquele rodeado da mais alta arquitetura, onde a humanidade, assim como pretendia com a Torre de Babel, visa apertar a mão do seu criador, no mesmo tempo que ironicamente perde a cada dia o único vínculo com Ele: a fé; o coração corrompido pelo ego não impede o último suspiro e o sentimento puro que ele traz. Terrence Malick parece sentir, no auge dos seus setenta e três anos, que está a segundos da morte e todo o seu material visual, a partir dessa ciência, se traduz em testamento de um ser curioso sobre o tempo, um andarilho espalhando sua palavra em troca de comida e água.

No documentário Voyage of Time: Life’s Journey (2016) ele aproveita o seu material de A Árvore da Vida (2011) e faz algo pouco comum: um vislumbre visual que percorre a criação do universo mas que não se dedica a explicar as nuances de pequenas evoluções, pelo contrário, a narração aprazível da maravilhosa Cate Blanchett surge em momentos pontuais apenas para acrescentar ainda mais dúvida não sobre o que é, mas por quê.

As partículas, as águas e o fogo pontuam o ritmo da experiência, bem como o processo de criação, temos a oportunidade de enxergarmos o nosso princípio, presentes em um momento de puro vácuo. Através do cinema voltamos à estaca zero e temos a oportunidade de refletir nossa imagem até tal ponto. As imagens das diversas culturas acrescentadas ao longo dão essa sensação, uma ligação horripilante e verdadeira entre os primeiros seres rastejantes e nós, os seres humanos que se enxergam como o ápice evolutivo sem nem ao menos compreenderem suas limitações intelectuais ou físicas.

Mesmo que a temática de Malick possa soar repetitiva – hei de concordar que prefiro a versão estendida desse documentário, “A Árvore da Vida” – vejo a necessidade de sentir com atenção exatamente tudo o que ele tem a dizer. Cada vislumbre fotográfico embalado com os instrumentais fascinantes e que movimentam a cena assim como o movimento circular constante da vida, me sinto menos só. Me sinto parte de um sistema existencial que se preocupa não somente em seguir, como refletir sobre o porquê de ter chegado a tal ponto. Cada passo do homem faz com que ele tenha a oportunidade de ser lembrado, não apenas como vagante, mas como uma delicada flor amarela de jardim, onde todos seus irmãos são iguais e frutos do mesmo início.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

De Canção Em Canção (Terrence Malick, 2017)

Esse é mais um representante dessa nova etapa artística do diretor Terrence Malick, onde o universo, técnica e figuras importantes do cinema parecem entrar em comum acordo para representar a angústia da existência. Talvez seja justamente por isso que o diretor consiga agregar tantos nomes poderosos em um único trabalho, mesmo que sejam cortados na edição, pois eles sabem que o estilo do diretor transcende a narrativa dita através dos anos como convencional, a sua câmera invade a privacidade da performance, bem como por vezes se recusa a aceitar o óbvio ou o ascendente. Perceba momentos que o movimento de câmera acontece e para nos detalhes, como na mão de uma personagem na maçaneta da porta. Às vezes a reação facial das personagens esconde trejeitos, a postura, enfim, uma série de características que compõe a sua personalidade. No mesmo tempo que o cinema funciona como uma janela para observar a vida, o seu formato e padronização impede que tenhamos a perspectiva completa, admirar a paisagem pela janela, dentro de casa, e no exterior são duas coisas completamente diferentes, sendo assim, Malick é como um garoto rebelde, mesmo que sua mãe o castigue e o impeça de sair, ele foge e faz questão de registrar absolutamente tudo aquilo que lhe convém, mesmo que soe como corrupção da performance e convencionalidade.
Sua câmera se movimenta de forma ondeante, obrigando o espectador à árdua tarefa de assimilação espacial, as sensações dizem respeito ao etéreo, como se tivéssemos analisando o comum sob a perspectiva de uma deidade.

De Canção Em Canção (2017) segue esse padrão, o mesmo de A Árvore da Vida (2011), Cavaleiro de Copas (2015) e Amor Pleno (2013) e, por isso, pode ser injustamente acusado como repetitivo e sem sentido. Mas o curioso é que visivelmente o diretor compreende que esses adjetivos fazem parte do processo, ainda mais quando o produto artístico é tão complexo e transcendental. Nem todas pessoas estão dispostas à falarem de si mesmas, e fazê-lo de modo a contemplarem diversas realidades que não condizem com a sua é certamente ainda mais difícil.

Nesse longa a incoerência do amor e cumplicidade são analisados a partir do universo das estrelas da música. A produção musical que exige individualidade e momentos curtos de sincronia. É de se notar a flexibilidade fotográfica que ora se dedica intimamente às figuras que acompanha, ora os recusa, transformando-os em invisíveis em meio à ambientação – diferença estética que faz jus a instabilidade do mundo que acompanha.

As narrações em off durante boa parte do filme são simples e diretas, parecem realmente trechos de músicas e não me espantaria se de fato fossem. Elas dialogam com o cotidiano e abrem espaço para o visual, onde pequenas demonstrações de afeto, posição no quadro e palavras fazem dos inocentes movimentos das personagens experiências incrivelmente intensas.

Existem tantas cenas simbólicas – muitas delas perceptivelmente improvisadas pelo ótimo elenco – que precisaria de muito tempo para as analisar metaforicamente. Por exemplo um momento em que o casal Faye (Rooney Mara) e BV (Ryan Gosling) fazem uma brincadeira relacionada à confiança. Os dois personagens, inclusive, assim como Rhonda (Natalie Portman) são os mais interessantes como início da reflexão sobre a condição de corrupção e decepção de um jovem esperançoso inserido no meio musical. Cook (Michael Fassbender) é um personagem completamente sedado pela conquista, é a personificação do fascínio perigoso que o poder teima em sussurrar nos ouvidos como a perfeita solução.

De Canção Em Canção (2017) é uma obra sensorial, que exige muita atenção e a maior imersão possível afim de proporcionar a melhor experiência. No entanto, atrás da narrativa pouco convencional, não se esconde um material complexo como a sua forma – como acontece em outros trabalhos do diretor. Ainda assim é um filme extremamente relevante e que apura os sentidos, pois transforma o cotidiano e a realidade desgastante da fama em poesia; sustentado principalmente pela fotografia de Emmanuel Lubezki e pelos impulsos naturais performáticas de um elenco incrivelmente talentoso, mas que pela própria linguagem são sabotados em muitos momentos.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube