De Canção Em Canção (Terrence Malick, 2017)

Esse é mais um representante dessa nova etapa artística do diretor Terrence Malick, onde o universo, técnica e figuras importantes do cinema parecem entrar em comum acordo para representar a angústia da existência. Talvez seja justamente por isso que o diretor consiga agregar tantos nomes poderosos em um único trabalho, mesmo que sejam cortados na edição, pois eles sabem que o estilo do diretor transcende a narrativa dita através dos anos como convencional, a sua câmera invade a privacidade da performance, bem como por vezes se recusa a aceitar o óbvio ou o ascendente. Perceba momentos que o movimento de câmera acontece e para nos detalhes, como na mão de uma personagem na maçaneta da porta. Às vezes a reação facial das personagens esconde trejeitos, a postura, enfim, uma série de características que compõe a sua personalidade. No mesmo tempo que o cinema funciona como uma janela para observar a vida, o seu formato e padronização impede que tenhamos a perspectiva completa, admirar a paisagem pela janela, dentro de casa, e no exterior são duas coisas completamente diferentes, sendo assim, Malick é como um garoto rebelde, mesmo que sua mãe o castigue e o impeça de sair, ele foge e faz questão de registrar absolutamente tudo aquilo que lhe convém, mesmo que soe como corrupção da performance e convencionalidade.
Sua câmera se movimenta de forma ondeante, obrigando o espectador à árdua tarefa de assimilação espacial, as sensações dizem respeito ao etéreo, como se tivéssemos analisando o comum sob a perspectiva de uma deidade.

De Canção Em Canção (2017) segue esse padrão, o mesmo de A Árvore da Vida (2011), Cavaleiro de Copas (2015) e Amor Pleno (2013) e, por isso, pode ser injustamente acusado como repetitivo e sem sentido. Mas o curioso é que visivelmente o diretor compreende que esses adjetivos fazem parte do processo, ainda mais quando o produto artístico é tão complexo e transcendental. Nem todas pessoas estão dispostas à falarem de si mesmas, e fazê-lo de modo a contemplarem diversas realidades que não condizem com a sua é certamente ainda mais difícil.

Nesse longa a incoerência do amor e cumplicidade são analisados a partir do universo das estrelas da música. A produção musical que exige individualidade e momentos curtos de sincronia. É de se notar a flexibilidade fotográfica que ora se dedica intimamente às figuras que acompanha, ora os recusa, transformando-os em invisíveis em meio à ambientação – diferença estética que faz jus a instabilidade do mundo que acompanha.

As narrações em off durante boa parte do filme são simples e diretas, parecem realmente trechos de músicas e não me espantaria se de fato fossem. Elas dialogam com o cotidiano e abrem espaço para o visual, onde pequenas demonstrações de afeto, posição no quadro e palavras fazem dos inocentes movimentos das personagens experiências incrivelmente intensas.

Existem tantas cenas simbólicas – muitas delas perceptivelmente improvisadas pelo ótimo elenco – que precisaria de muito tempo para as analisar metaforicamente. Por exemplo um momento em que o casal Faye (Rooney Mara) e BV (Ryan Gosling) fazem uma brincadeira relacionada à confiança. Os dois personagens, inclusive, assim como Rhonda (Natalie Portman) são os mais interessantes como início da reflexão sobre a condição de corrupção e decepção de um jovem esperançoso inserido no meio musical. Cook (Michael Fassbender) é um personagem completamente sedado pela conquista, é a personificação do fascínio perigoso que o poder teima em sussurrar nos ouvidos como a perfeita solução.

De Canção Em Canção (2017) é uma obra sensorial, que exige muita atenção e a maior imersão possível afim de proporcionar a melhor experiência. No entanto, atrás da narrativa pouco convencional, não se esconde um material complexo como a sua forma – como acontece em outros trabalhos do diretor. Ainda assim é um filme extremamente relevante e que apura os sentidos, pois transforma o cotidiano e a realidade desgastante da fama em poesia; sustentado principalmente pela fotografia de Emmanuel Lubezki e pelos impulsos naturais performáticas de um elenco incrivelmente talentoso, mas que pela própria linguagem são sabotados em muitos momentos.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

La La Land, 2016

La La Land ( Idem, EUA, 2016 ) Direção: Damien Chazelle

★★

Em 2011 foi lançado nos cinemas o sucesso “O Artista“, dirigido pelo Michel Hazanavicius, o filme foi a aposta certa ao Oscar do ano seguinte por conta de uma exaltação sobre a sua proposta de homenagear os anos maravilhosos do cinema mudo. O entusiasmo parecia se encontrar em cada canto, críticas maravilhosas faziam alusão ao filme como sendo uma ousadia narrativa, super bem interpretado e dirigido, algo que entraria para a história. O resultado é que estamos em 2017 e, justamente, poucas pessoas mencionam “O Artista“, senão, pelo fato de ter conquistado o Oscar de 2012.

“La La Land”, apesar de possuir algumas características especiais, especialmente na direção de arte e fotografia, parece caminhar na mesma direção da obra citada acima, se fortalecendo como uma homenagem pura, levando-nos a embarcar na história agridoce do casal Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone). Ambos possuem o sonho de viver da arte mas precisam acostumar-se a recorrer um ao outro para manter as forças até a realização desse objetivo.

O filme se apresenta destacando a força da cidade de Los Angeles para a trama, bem como as cores vibrantes para ressaltar a magia que envolverá o casal. O fato é que ambos se veem mergulhados na obstinação e o impulso e amor à arte que possuem é colocado em prova a partir do momento que presenciam a indiferença por parte das pessoas. As cores azul, vermelho, amarelo e roxo estão muito presentes; os dois primeiros como contraste entre tristeza e energia, paixão; o visual contextualiza o psicológico das personagens além de transportá-los para um universo onírico, que dá total liberdade ao diretor Damien Chazelle trabalhar ângulos e movimentos de câmeras, inclusive nas cenas de coreografias.

A aproximação dos personagens acontece de forma orgânica, mas o desenvolvimento é frágil pois vai de desencontro com a apresentação. Como musical “La La Land” é mediano; como filme de romance é lamentável. As coreografias e canções são esquecíveis – há apenas uma canção maravilhosa e que, infelizmente, é repetida na trama diversas vezes para pontuar o encontro ou despedida – e o romance é estruturado em uma série de clichês.

A diversão é garantida, principalmente pela harmonia entre a Emma Stone e Ryan Gosling. Os dois constroem personagens adoráveis, conversam entre si com uma naturalidade imprescindível o que, por consequência, cria uma atmosfera graciosamente hipnotizante. Mas ainda é uma experiência razoável, as referências são bem interessantes mas, sozinhas, não sustentam a fragilidade do roteiro; o sentimento que fica é que seria bem melhor revisitar as obras referenciadas.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

CdA #024 – Namorados para Sempre

filmes-9211-fotos-bluevalentine_foto_03

Download

Fizemos uma análise, dessa vez, sobre relacionamentos, mais precisamente o final de uma relação. Usamos como base o filme “Namorados para Sempre”.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube