Acalme Esse Coração Inquieto (Roberto Minervini, 2013)

Roberto Minervini é um diretor italiano que traduz com perfeição os limites invisíveis entre documentário e ficção. A observação é a fonte da vida do artista e nada mais justo que existam artistas que trabalhem o audiovisual de forma naturalmente visceral, abrindo as portas para indagação através do silêncio. Há uma violência impressionante na falta de substância, quando a arte não a tem de forma explícita, força a admiração pelos rastros.

“Acalme Esse Coração Inquieto” (2013) é o terceiro filme da “trilogia do Texas”, persegue uma menina chamada Sara de quatorze anos que foi criada em um modelo arcaico e rural, tomada pelas responsabilidades da terra, fruto de esforço físico constante, ela também se envolve diretamente com a crença cristã fervorosa. Esse é o exemplo de filme “momento”, cuja proposta é o registro cru dos passos monótonos dia após dia.

Ainda que tenha algum tipo de narrativa, a ideia principal é deixar-se ser conduzido pela simplicidade dos movimentos e interesses. Sara trabalha e conduz; Sara passeia e revigora; Sara cuida de muitas coisas e negligência a si. O que poderia ser uma crítica direta à forma de vida, algo infinitamente injusto, se torna um delicado tecido do real, a vida é o que há e não cabe nos atermos nos profundos impactos causados no indivíduo por causa do conservadorismo extremo e opressão religiosa. Tudo faz parte da realidade da personagem central, sabemos desde o começo que o documentário não pretende oferecer uma conclusão.

A condição de observar é fruto da paciência, e paciência é o líquido relativo às substâncias existenciais. É fácil esperar que o cinema busque soluções, mas é agressivo a passividade daqueles que repousam e veem sem a pretensão de sonhar. Quando o “ir” é mais importante do que o “quando” ou “como”.

Não que “Acalme Esse Coração Inquieto” (2013) tenha me despertado o maior dos sentimentos, nem ao menos no que toca os trabalhos que mesclam realidade e ficção, vide a maioria dos filmes de Abbas Kiarostami, mas há uma janela para a discussão do que é, de fato, uma experiência cinematográfica, do que é um filme. Os intervalos silenciosos são pérolas jogadas ao mar, que possibilitam a total ausência de afirmação, apenar questionamentos inerentes ao que se vê e que por consequência se sente.

Sara Carlson vive no mesmo tempo que eu, corre em direções opostas e sente o vento sob outras circunstâncias. Mas vive como sou, e isso basta. Os braços que repousam na cintura, as tranças no cabelo, a postura receosa e tímida. O externo de Sara é reluzente, a fotografia extrai da paisagem árida a sua possibilidade mais clara, em contraponto o interno é escuro, quase sempre Sara é pressionada dentro de sua casa nos cantos, ela se faz e desfaz com os bons costumes.

Sara transgride aos poucos, a lentidão é a personificação do símbolo metamorfósico. Adão necessitou da mulher, o que daria indícios da sua superioridade, demonstra simplesmente que ele não sabia, sabe e nunca saberá viver só. Por isso assistimos filmes, encontramos Eva em cada frame.

(Visited 11 times, 11 visits today)

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

Textos relacionados
, , , ,

About emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.
View all posts by emersontlima →