Dois curtas para conhecer a diretora Caroline Fioratti

Olhando da esquerda para a direita, a diretora Caroline Fioratti é a penúltima. Está ao lado do elenco de “Meus 15 Anos”.

Roteirista e diretora, Caroline Fioratti acredita no poder de uma história bem contada. Com diversos cursos e laboratórios de dramaturgia no currículo, Caroline se especializou em criar universos e personagens. Sua matéria prima são os conflitos humanos e suas ferramentas as técnicas narrativas e cinematográficas. A cada projeto, uma nova história esculpida com som e fúria. (Site)

Tive a oportunidade de ver, no Projeta Brasil de 2017, o filme “Meus 15 Anos”, apesar de ser nítido o fato de que não pertenço ao seu público, o achei bem mediano, apesar de clichê. Tem ao menos uma mensagem (repetiviva) importante para os pré-adolescentes. Mas esse artigo não é para falar sobre esse filme, mas sim da diretora.

Evidentemente Caroline Fioratti alcançou o maior sucesso da sua carreira ao lado da estrela Larissa Manoela, no entanto poucos conhecem os seus belíssimos curtas-metragens, a maioria voltada para o humano, família, sentimento, entre outras coisas.

A diretora tem uma conta no Vimeo e hospeda alguns trabalhos lá, portanto os dois curtas que recomendarei aqui poderão ser assistido nos links, prestigie o trabalho da diretora!

Formigas, 2009

Primeiro curta da diretora, que também assume o roteiro. A história não podia ser mais delicada ao apresentar uma família de imigrantes japoneses após a Segunda Guerra Mundial que se vê em constante alerta. A metáfora mora no fato de que as duas filhas, auge da criatividade infantil e inocência, acreditam que quem está ameaçando seu pai são as formigas.

Com uma leveza sem tamanho, apesar de demonstrar uma aflição, essa quebra com a pureza transborda sentimentos de profunda empatia pelos personagens. A linguagem se aproxima bastante, inclusive, dos filmes japoneses, onde a atenção maior são nos personagens e pequenos movimentos fazem toda a diferença no trabalho de contemplação do silêncio.

Assista ao filme clicando aqui

A Grande Viagem, 2011

Também dirigido e roteirizado pela Caroline, esse sem dúvida é o seu mais famoso curta e ainda mais delicado. Ao lidar com memórias e ansiedade em busca de um tempo passado, o qual, sem dúvidas, reflete a decisão de um personagem específico.

Lançado em diversos festivais, incluindo a Mostra de São Paulo, fica nítido o talento da diretora na sensibilidade do trato das relações humanas. A magia acontece de forma contida, inerente à disposição, um embarque na loucura do faz de conta.

O avô se perde em sua própria mente, vende sonhos e lugares, transitando na ilusão do tempo e buscando no neto o conforto do momento agora. Desde as mãos que seguram um aviãozinho de brinquedo, enquanto surge o título, passando pelas transições de lugares que exalam essa super imaginação, esse filme é realmente mágico na sua simplicidade.

Assista ao filme clicando aqui

(Visited 20 times, 1 visits today)

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube