Frequência Fantasma #5 – Curtas-Metragens de Terror!

Download

Seja bem-vindo você, ser vivo…ou não, a mais um episódio da sua rádio quinzenal (nem sempre rs) Frequência Fantasma. Nesse episódio, rolou um super bate papo sobre curtas metragens, principalmente do gênero de terror, suspense e seus derivados é claro. Foi discutido o que é um curta metragem de fato e como acontece toda sua produção. Por que os longas metragens atingem mais pessoas? Os curtas-metragens é um material realizado para um nicho específico? O time completo do Frequência Fantasma, Sergio Junior, Pamela, Emerson Teixeira (CdA), Lucas Levino e o convidado super especial Carlos Voltor (Nerdcast, Podcrastinadores) trocam ideias e experiências que tiveram com curtas metragens.

Envie seu material ou sugestões para o e-mail: frequenciafantasma@cronologiadoacaso.com.br

Curta a nossa fã page no Facebook: https://www.facebook.com/frequenciafantasma

Nos siga no Twitter: @freqfantasma

Assine nosso Feed! http://feeds.feedburner.com/frequenciafantasmacda

Arte de Capa: Raphael Cravo – Site: http://www.cravo.ink

Filmes citados no episódio:

  • Vinil Verde (2004)
  • A Menina de Algodão (2002)
  • Doodlebug (1997)
  • Dois mais Dois, (2011)
  • Monster, (2005)
  • Elephant, (1989)
  • Lights Out (2013)
  • Don’t move (2013)
  • Amor só de Mãe (2003)

Canal do Carlos Voltor – Youtube: Voltorama

https://www.youtube.com/channel/UCcmyOXnmwiO3U7N_Tht0G5Q

Curtas produzidos por Carlos Voltor!

https://www.youtube.com/watch?v=QBwqBkmRBWk

https://vimeo.com/232290437

(Visited 146 times, 3 visits today)
Sergio Junior

Sergio Junior

Um mero amante do cinema de terror que sonha em compartilhar e trocar experiências relacionadas a esse gênero com todos.

More Posts - Website

Textos relacionados
  • Raphael Cravo

    Jan Svankmajer é muito bom, pra quem nunca viu as obras dele, pode causar estranhamento no num primeiro momento pelo tom subversivo, mas essas são marcas registradas dele. Ele também fez uma adaptação do mito de Fausto que não chega a ser terror, mas que tem uma pegada igualmente obscura.

    • Emerson Teixeira Lima

      Sim! Amo esse diretor, a sua obscuridade intrínseca causando desconforto e curiosidade, é sublime.