O Estranho Que Nós Amamos, 1971

The.Beguiled.1971.DVDRip.XviD.iNT-YYddr.mp4_snapshot_00.24.03_[2016.04.10_21.01.36]

★★★★★

Don Siegel fez grandes filmes ao longo de sua carreira, dando uma atenção especial para o desenvolvimento dos personagens que, inseridos no contexto da ação, apresentavam bem mais do que fugas, tiros e atos heroicos.

Já gravamos podcast sobre um filme dele: O Último Pistoleiro ( Clique aqui )

Afirmo sem receio algum que o maior deles e o fiel representante da qualidade do diretor é “O Estranho Que Nós Amamos”, de 1971, uma verdadeira preciosidade esquecida pelo tempo e que conquista diversos fãs pelo mundo por unir e desenvolver temas como obsessão, mulher, opressão e, principalmente, desejo.

O filme se passa no final da Guerra de Secessão, onde claramente os Estados Unidos se dividiam em interesses e eles, por sua vez, ditariam a sequência da história no país. Portanto, todas as pessoas viviam em um conflito de decisões por simplesmente estarem vivendo um momento onde a escravidão seria repensada, a postura econômica, enfim, diversos elementos que levariam o país à diversas mudanças.

Nesse conflito John McBurney ( Clint Eastwood ) se fere e alunas de uma escola para mulheres o acolhem afim de tratar seus ferimentos e, posteriormente, entregá-lo as autoridades – John McBurney defende o Norte enquanto as mulheres são do Sul, ou seja, inimigos e contrários nos ideais – o que acontece é que a figura masculina de John mexe com diversas meninas na escola, inclusive a professora e diretora. Essa opressão faz com que o conflito da guerra civil se estenda para a escola, as próprias alunas e o homem desconhecido passam a agir como seres irracionais, movidos apenas por sentimentos mais insanos como desejo e vingança.

The.Beguiled.1971.DVDRip.XviD.iNT-YYddr.mp4_snapshot_00.03.57_[2016.04.10_21.00.09]

The.Beguiled.1971.DVDRip.XviD.iNT-YYddr.mp4_snapshot_00.04.30_[2016.04.10_21.00.21]

O filme começa com uns desenhos referente à guerra civil americana e, em seguida, temos uma aluna – a menor delas – caminhando por entre um bosque, ela se depara então com McBurney. A referência parece ser inevitável, a inocência sendo apresentada e, como consequência, quebrada após ver um homem a beira da morte, algo simbólico, como chapeuzinho vermelho encontrando o lobo mau. Existe o sentido de proteção sendo despertado na menina, no mesmo tempo que a sensualidade começa a ser desenvolvida, pois minutos depois os dois se beijam – uma cena altamente polêmica, inclusive, mas que simbolicamente afasta os personagens de suas respectivas classificações: passa a não existir mais criança, diretora, soldado, professora ou alunas e sim “homem” e “mulheres”.

Importante ressaltar a fotografia belíssima que engrandece a obra de uma forma crucial, assim como as atuações de Clint Eastwood e da diva Geraldine Page. O primeiro estava no seu auge físico e profissional, sendo confundido por diversas vezes com o seu famoso pistoleiro sem nome, o ator era sinônimo de homem forte e duro, sendo imprescindível aqui como um sujeito que atrai diversas mulheres pela sua “força” e mistério. No mesmo tempo, Clint transita perfeitamente pelo conquistador e desesperado diante as situações grotescas que é obrigado a passar.

Já Geraldine Page, atriz ganhadora de Oscar, está maravilhosa outra vez, moldando uma personagem complexa, repleta de segredos e manipuladora ao extremo.

A mulher é tão presente nesse filme que é impossível não se encantar com a abordagens das moças que, vivendo uma vida cheia de proibições, enxergam no desconhecido uma forma de fugir das expectativas, quebrando a barreira do bom comportamento – aula que são submetidas com frequência -, parece que todas são prisioneiras do local e da diretora, assim como John se torna um também. Não a toa o simbolismo do corvo por entre as grades, preso e, no final, o mesmo corvo se encontra morto, como se representasse as sensações vividas pelos personagens, cujas expectativas vão se desmoronando conforme o desenrolar da história.

Até mesmo uma menina pequena, a mais nova das alunas e que abre o filme, se envolve emocionalmente com o homem desconhecido, no mesmo tempo que descobre a sexualidade de um jeito decepcionante. Existe uma proposta em se discutir psicologia e essa coragem em se desenvolver lentamente é absolutamente oportuna, pois leva o espectador ao limite da tensão, mesmo que as cenas sejam bem minimalistas.

The.Beguiled.1971.DVDRip.XviD.iNT-YYddr.mp4_snapshot_00.21.29_[2016.04.10_21.01.22] The.Beguiled.1971.DVDRip.XviD.iNT-YYddr.mp4_snapshot_01.37.18_[2016.04.10_21.02.26]

A direção de arte é sublime, a época é resgatada de forma crucial, assim como alguns detalhes como o quadro de Jesus na parede que, em dado momento, se confunde com o corpo de John, mas uma prova que todos os personagens são simplificações da discussão sobre o homem e mulher e o inevitável desejo que existe em ambos. Outro ponto para ressaltar a preocupação com os detalhes: depois que as alunas, professora e diretora coloca John na cama, o cobrem com um manto vermelho, cor que simboliza a paixão, proibido e sexualidade de forma geral.

A sutilidade do filme é tamanha que, de um drama com fragmentos eróticos – de forma subliminar – se transforma em um suspense, onde alguns sentimentos vão se transformando em necessidade de vingança e a obsessão se revela de forma curiosa. A conclusão é maravilhosa e faz jus a grandiosidade desse clássico que, com muita categoria, tem presença cativa na seleção dos melhores filmes da história.

(Visited 402 times, 37 visits today)

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

Textos relacionados