Entrevista: José Eugenio Guimarães

homem-que-matou-o-facinora-20

Há bastante tempo eu queria entrevistar criadores de conteúdo voltados para o cinema, existem muitos blogs excelentes, que, inclusive, são inspirações para o Cronologia do Acaso continuar por três anos falando sobre cinema alternativo.

Procurando por blogs, dentre tantos, encontrei um que me chamou a atenção “Eugenio em Filmes” ( http://cineugenio.blogspot.com.br/ ) cujo escritor se chama José Eugenio Guimarães. O conteúdo é voltado para o cinema clássico, com resenhas altamente aprofundadas e prazerosas de ler, do tipo que se aprende algo, o que, por sinal, está em falta hoje em dia.

Eu entrei em contato com o grande José Eugenio Guimarães, primeiramente, para desabafar o quanto estava encantado, depois para solicitar uma entrevista. Felizmente a resposta foi positiva e o resultado vocês conferem abaixo.

1 – Para os leitores do Cronologia do Acaso, por favor, se apresente. Quem é José Eugenio?

Um Engenheiro Agrônomo diversificado em Zootecnia. Também sou Cientista Social com maior concentração em Ciência Política e Sociologia. Tenho 59 anos. Sou capixaba, de Colatina. Morei a maior parte de minha vida em Viçosa/MG. Profissionalmente, atuo como professor, pesquisador e consultor.

2 – Como e quando começou o seu amor por cinema?

Em 1958 eu estava com dois anos. Minha mãe, cinéfila, queria ir ao cinema e não tinha com quem me deixar. Levou-me junto. O filme era “Marcelino Pão e Vinho” (“Marcelino pan y vino”, 1955), de Ladislao Vajda. Segundo ela, vi o filme com a maior atenção, o tempo todo sem tirar o olho da tela. O problema é que a partir daí comecei a fazer birra para voltar ao cinema. Então, posso dizer que tenho 57 anos de cinefilia. A coisa começou a ficar mais séria em 1964, quando estava com oito anos. Como meus pais eram cinéfilos e anotavam os filmes que viam, comecei a fazer o mesmo. Como foi na companhia deles que vi todos os filmes até então, foi fácil saber quantos filmes havia visto e completar a minha lista. Ate hoje a tenho. Até o momento, vi 6496 filmes. Tenho todos os títulos anotados com suas respectivas fichas. Desse montante, cerca de quatro mil estão comentados. Com esses comentários, escritos em épocas as mais diversas, alimento o blog.

3- Cite obras e/ou diretores que mudaram a sua vida

Obra alguma mudou a minha vida. Ajudaram, no máximo a ter uma compreensão melhor do mundo, como alguns livros também o fizeram. Meus diretores preferidos são John Ford, Howard Hawks, Jules Dassin, Anthony Mann, Stanley Kubrick, Orson Welles, King Vidor, Alfred Hitchcock, Woody Allen, Michael Powell, Billy Wilder, Ernst Lubitsch, Nelson Pereira dos Santos, Glauber Rocha, Humberto Mauro, François Truffaut, Luchino Visconti, Federico Fellini, Roberto Rossellini, Jacques Feder, Yasujiro Ozu, Kenji Mizoguchi, Akira Kurosawa, Sergio Leone, Sergei Eisenstein, Ingmar Bergman, Satyajit Ray e outros tantos.

Alguns filmes que me marcaram são:

Jejum de amor (His girl Friday, 1940), de Howard Hawks; A sombra de uma dúvida (Shadow of a doubt, 1943), de Alfred Hitchcock; O encouraçado Potemkin (Bronenosets Potemkin, 1925), de Sergei M. Eisenstein; Crepúsculo dos deuses (Sunset boulevard, 1950), de Billy Wilder; 8 1/2 (8 1/2, 1963), de Federico Fellini; Era uma vez no Oeste (C’era una volta il West, 1968), de Sergio Leone; O homem que matou o facínora (The man who shot Liberty Valance, 1962), de John Ford; Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos; Pistoleiros do entardecer (Ride the high country, 1962), de Sam Peckinpah; Rastros de ódio (The searchers, 1956), de John Ford; Terra em transe (1967), de Glauber Rocha; Os incompreendidos (Les quatre cents coups, 1959), de François Truffaut; O leopardo (Il gattopardo, 1963), de Luchino Vistonti. Mas há mais, muito mais.

4 – Por que decidiu criar o blog?

Resolvi criar o blog para dar vazão pública às apreciações de filmes que escrevi ao longo da vida e continuo a escrever. Alguma coisa havia sido publicada em revistas acadêmicas. Mas a maior parte dos meus escritos permanece inédita.

5 – Você vai ao cinema? Qual as diferenças mais gritantes entre aqueles cinemas de bairros que tínhamos e os de hoje? Me parece que o cinema se tornou apenas mais uma loja dos Shoppings, você concorda?

Costumo ir ao cinema. Se bem que reduzi muito a minha frequência nos dias que correm. O cinema, atualmente, não é mais o templo ao qual fui habituado. Hoje são mais pardieiros elegantes de gente inquieta. Os tempos mudaram, não necessariamente para melhor. Mas continuo indo aos cinemas. Em Niterói, onde moro, sou vizinho de um excelente cinema: o Cine Arte UFF. No Rio há o Grupo Estação e seus derivados. Também há a Cinemateca do MAM e as mostras do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil. Fui muito ao cinema, quase todos os dias, quando morei em BH, nos anos 80. Em Viçosa/MG, onde passei a minha infância e parte da juventude, tive acesso facilitado aos três cinemas da cidade, atualmente fechados, época em que via cerca de três filmes por semana.

6- Em relação aos filmes que andam saindo ( tanto para o grande público como no circuito alternativo ) qual sua opinião sobre? O melhor ficou no passado ou existe coisas boas ainda? Caso queira, cite filmes e diretores novos que considera bom.

Ainda sai muita coisa boa, que me convida ao cinema. Cinematografias estranhas e interessantes estão dando as caras e me atraem: Irã, Coreia, China.. O Japão continua sendo um foco de atração. Os italianos, parece, estão experimentando um renascimento. Mas sinto falta de uma certa efervescência marcada por debates acirrados. Sinto falta dos movimentos como Free Cinema Inglês, Nouvelle Vague, seja a francesa ou tcheca, da inquietação de um Glauber etc. Claro que esse tempo não voltará. Hoje, o que sinto falta é do debate que as obras produziam. Estamos meio que largados, atualmente, a uma infantilização excessiva do cinema, por causa do que se tornou o majoritário cinema americano. Veja bem: não reclamo de filmes infantis. Este tem que existir, sempre. Mas falo de uma onda crescente que vem considerando o público como entidade dotada de idade mental inferior. Há muito imbecilidade no cinema de hoje. Super heróis em excesso. Gosto de super heróis também. Mas fico injuriado com cada lançamento da Marvel, por exemplo, se transformando em evento que dura o ano todo e bloqueia quase todos os canais. Outro coisa que também estranho é o excesso de filmes dublados. Não gosto.

7- Qual sua opinião sobre a crítica de cinema?

A crítica está morta. Pelo menos a crítica que eu lia nos anos 60 e 70, nos jornais e revistas. O crítico tinha espaço para tecer seu comentário com profundidade. Dava prazer ler, mesmo que não se concordasse com o crítico. Eram textos fundamentados. Hoje é crítica é como jujuba. Algo que desce rápido mas sem o menor sabor. Sem esquecer que há muito crítico que não tem a menor noção sobre história do cinema e seus grandes momentos. A crítica de hoje não mais me motiva. A não ser algumas ilhas de excelência cada vez mais restritas a determinados blogs e sites perdidos na selva da Internet.

8- Para mim, o verdadeiro ( bom ) conteúdo de cinema, hoje, nós temos nos blogs. Existem diversos por ai que se sobressaem de forma incrível, como o seu, por exemplo, o que você acha disso? Tem indicações de blogs bacanas de cinema? O que é preciso para escrever bem sobre cinema?

Para escrever bem sobre cinema não basta gostar de cinema. Tem que ter um conhecimento diversificado sobre muita coisa. É preciso ter leitura. Afinal, o cinema dialoga com várias áreas do saber. Não é só o filme que interessa. Eu sou neófito em blogs. Ainda estou formando uma base de conhecimento sobre eles. Ainda estranho muito essa área e, para ser franco, nem sei muito bem o que estou fazendo. Mas vou insistindo. Sei que há muitos blogs bons. Temerário fazer uma listagem dos melhores. O meu é simples. Não tem firulas. É mais textual mesmo. Nem sabia como fazer quando comecei. Simplesmente pedi a uma amiga que o “desenhasse”, da forma a mais simples e didática possível, sem cores carregadas, pois desde cedo tomei a decisão de que o texto predominaria em relação aos demais aspectos.

9- Qual gênero de filme você prefere?

Afetivamente, por causa de minha idade e das sensações que trago da infância, tenho forte relação com o western. Quando era garoto, os filmes da hora eram os westerns. Não para menos tenho John Ford, Howard Hawks e Anthony Mann entre os mais cineastas preferidos.

10- Qual sua opinião sobre o download de filmes, pois, temos uma dificuldade imensa para assistir filmes alternativos nos grandes cinemas, cópias somente dubladas, enfim, o download não seria uma forma interessante de buscar essa cultura?

Francamente, não sei responder. Como sou analfabeto em computadores e web, pouco faço downloads. Quem cuida desse setor em minha casa é minha filha. Já pedi a ela para baixar algumas coisas que queria rever e não estava à disposição em DVD etc.

11- No Cronologia do Acaso, abordamos, quase que exclusivamente, o cinema alternativo, qual sua relação com esse cinema?

Sem o cinema alternativo não há renovação. É este tipo de cinema que permite a mudança. Aliás, são cinematografias chamadas de alternativas bem como filmes ditos alternativos que me atraem ao cinema, hoje.

12 – Além de cinema, gosta de livros, músicas etc? Cite exemplos, ainda mais, essas outras artes acrescentam a sua visão cinematográfica, de que modo?

Estou sempre lendo, de tudo. Minha profissão me obriga à continuada leitura. Não somente livros de ciências sociais. Minha maior frustração é saber que vou morrer sem dar conta de todos os livros que tenho. A música sempre fez parte de minha vida, dos mais diversos gêneros. A casa dos meus pais era musical. Ao gosto deles somou-se o meu.Foi por causa de minha afinidade com livros que tive a atenção voltada para a escrita e, principalmente, para a vontade de escrever.

13- O cinema tem o poder de mudar uma vida?

Ah! Não sei! Gostaria de saber. O certo é que amplia a nossa visão de mundo. Gosto de filmes que instalam a dúvida diante de uma realidade atolada na certeza e no senso comum. Mas nem sempre isso é possível.

14- Para finalizarmos, deixe uma frase ou uma mensagem para aqueles que gostam do seu trabalho na internet e, evidentemente, para aqueles que passarão a te conhecer melhor depois dessa entrevista.

A quem me lê – se é que alguém lê o que escrevo – só peço para não estranhar o cinema. Deve-se estar aberto à diversidade de possibilidades que o cinema permite. Foi algo que aprendi com o meu pai. Se num dia víamos um western, no outro estávamos vendo algo do Mizoguchi ou da Nouvelle Vague ou do Cinema Novo. No cinema não cabe a estreiteza da visão afunilada. Há que se olhar para todos os lados.

emersontlima

No fim, sou apenas um cara fantasiado de coelho que, durante o dia, coloca a máscara de homem e paga uma de intelectual com aqueles que exaltam qualquer manifesto de inteligência.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookGoogle PlusFlickrYouTube

  • José Eugenio Guimarães

    Obrigado pelo papo e pela oportunidade de exposição de alguns pitacos meus, caro Emerson.

    Grande abraço.

    • Emerson Teixeira Lima

      Foi uma honra! Muito obrigado!